Contato: + 55 54 3045-4070

SERVIÇOS

Cirurgia Videolaparoscópica


Cirurgia videolaparoscópica é uma técnica cirúrgica minimamente invasiva na qual os instrumentos cirúrgicos necessários para o procedimento são colocados na cavidade através de trocartes (tubos) inseridos por pequenas incisões na parede abdominal. Esta técnica permite uma recuperação mais rápida com menos dor no pós-operatório, além de ter melhor resultado estético e proporcionar uma alta hospitalar mais precoce.
A maioria das cirurgias do aparelho digestivo podem ser realizadas por este método, sendo as mais realizadas a Colecistectomia (cirurgia da vesícula biliar), Apendicectomia (cirurgia para apendicite), Fundoplicatura (cirurgia para a doença do refluxo gastroesofágico), Hernioplastia inguinal (correção de hérnias da virilha), Cirurgia bariátrica (cirurgia para tratamento da obesidade), Gastrectomia (cirurgia para tratamento do câncer de estômago), Colectomia (tratamento do câncer de cólon), além de outras cirurgias menos comuns.


- Cálculo de Vesícula
Esta cirurgia é indicada para pessoas que possuem cálculos (pedras) na vesícula com sintomas associados como dor na parte mais superior ou no lado direito do abdome abaixo das costelas, assim como náuseas ou vômitos associados á alimentação. A cirurgia é necessária porque estas pedras podem causar dor recorrente, inflamação da vesícula e até mesmo patologias graves como pancreatite aguda, além de outras complicações. Ela é feita por videolaparoscópica com 3 a 4 pequenas incisões no abdome, tendo geralmente um pós-operatório com pouca dor, recebendo alta 24 horas após o procedimento e retornando ao trabalho em 1 a 2 semanas.

- Hérnia de Hiato ( doença do Refluxo)
É uma doença bastante frequente caracterizada pela ocorrência de sintomas incomodativos como azia, regurgitação de líquido para a boca, dores em queimação na parte superior do abdome, entre outros. O tratamento é necessário para controle dos sintomas e para evitar complicações da doença, que muitas vezes podem ser graves. O tratamento pode ser feito com medicamentos ou com cirurgia. O tratamento cirúrgico da doença do refluxo é indicado principalmente para pessoas que tem a doença e não querem usar medicação por toda a vida e para aqueles que não apresentaram melhora dos sintomas e das complicações com o tratamento medicamentoso.

- Apendicectomia
Geralmente inicia com quadro de inapetência, náuseas e dor na parte superior ou central do abdome que em algumas horas migra para o lado direito da parte inferior do abdome. A apendicite aguda ocorre com maior freqüência em adolescentes e adultos jovens, mas pode ocorrer em todas as idades. Seu tratamento é cirúrgico e consiste na retirada do apêndice cecal inflamado. Esta cirurgia também pode ser realizada pela técnica videolaparoscópica, com as vantagens de apresentar menor taxa de infecção de ferida cirúrgica, menos dor pós-operatória e melhor resultado estético.

- Herniorrafias
As hérnias abdominais mais comuns são as que ocorrem na região inguinal (virilha), elas são mais frequentes em homens e caracterizam-se por abaulamento na região inguinal durante o esforço físico, dor ou desconforto local. O tratamento é cirúrgico e pode ser realizado de forma aberta ou por videolaparoscópica, que apresenta melhor resultado estético, menos dor pós-operatória, possibilita a correção de hérnias dos dois lados com as mesmas incisões e proporciona um retorno mais precoce ao trabalho.


Pós-Cirurgia


Os primeiros dias de pós-operatório, o paciente passa por três períodos: dieta líquida, cremosa evoluindo para pastosa. Ao final deste período, torna-se possível uma evolução gradativa para os sólidos. Orientado pelo nutricionista o paciente passa a ter uma alimentação “normal”, com volume reduzido e melhor qualidade. Neste momento os pacientes percebem de forma bem significativa uma baixa sensação de fome associada a uma saciedade precoce, o que auxilia muito no processo. Uma dieta mal conduzida pode acarretar uma série de problemas, dentre eles destacam-se as deficiências de nutrientes importantes.


Pré-cirurgia


A mudança do hábito alimentar é fator imprescindível para a perda de peso, assim como para a manutenção desta perda. Desta forma, podemos dizer que independente da causa ou tipo de obesidade, a reeducação alimentar é fundamental, devendo estar associada a um adequado programa de atividade física. Através de alterações simples e práticas o paciente gradativamente conscientiza-se e prepara-se para as mudanças que seus hábitos alimentares irão sofrer. O objetivo principal é treinar o paciente a comer devagar, mastigando bem os alimentos, mastigando bem os alimentos, em pequenas porções e estar motivado a uma escolha com qualidade. Este processo facilitará o pós-operatório, evitando desconfortos e favorecendo a perda de peso saudável, principalmente a massa gorda.